Notícias

Postado em 30 de Janeiro às 11h57

Flamboiã investe em embalagem termoformada com atmosfera modificada para cortes de frango

Notícias do Setor (99)

A Flamboiã, empresa de Cabreúva (SP) com 47 anos de atuação no mercado de frangos, aderiu às embalagens termoformadas com atmosfera modificada (ATM).

De acordo com o gerente industrial da Flamboiã, Osvaldo Camacho, o objetivo principal é inovar com qualidade percebida, fazendo com que a empresa paulista seja reconhecida por seu padrão de qualidade. “Conseguimos agregar valor aos cortes resfriados de frango, um produto popular, que agora adquire status de nobreza”, disse ele em nota à imprensa.

Segundo a nota, as vantagens trazidas pela utilização da embalagem termoformada com ATM para cortes de frango são muitas: a otimização no transporte das cargas, aumento do shelf life de 7 para 20 dias, maior raio de atuação, possibilidade de se trabalhar com o produto resfriado e não apenas congelado, melhoria na apresentação do produto, padronização de peso e embalagem, entre outras.

A máquina escolhida pela Flamboiã é uma termoformadora F100 Rig/Flex com ATM 420x300, formato 2x2, da Multivac. A embalagem do produto tem 190,5 mm x 150 mm com ranhuras laterais e permite a aplicação do logotipo em relevo no fundo. A capacidade de produção é de 1.200 embalagens por hora. A Flamboiã já usa a nova embalagem em 15 produtos: 9 in natura e 6 temperados.

“A tecnologia ATM para o nosso segmento é revolucionária, vamos ganhar muito com shelf life e agora poderemos atender lojas a uma distância muito maior”, disse o gerente industrial. Segundo a Multivac, companhia alemã entre as líderes mundiais em máquinas para embalar a vácuo/a ATM, a utilização da ATM para cortes resfriados de frango é inédita no mercado brasileiro.

Fonte: Carnetec

Veja também

Brasil precisa ampliar exportações de carne bovina para a Rússia, diz Abrafrigo18/09 Segundo nota divulgada pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) na sexta-feira (15), durante muito tempo a Rússia figurou na primeira colocação como o maior importador da carne bovina brasileira, porém, nos últimos anos, os negócios foram declinando e a China assumiu esta posição. Aproveitando a participação......

Voltar para Notícias (pt)