21 A 23
DE SETEMBRO DE 2021

Das 14h às 20h

Pavilhão de Exposições Anhembi - São Paulo/SP

Notícias

Postado em 20 de Maio de 2020 às 14h38

Brasil deve assumir protagonismo na pecuária

Notícias do Setor (306)
EXPOMEAT 2021 - lll Feira Internacional da Indústria de Processamento de Proteína Animal e Vegetal A pecuária de corte brasileira tem demostrado um contínuo avanço nas últimas décadas, fazendo com que as...

A pecuária de corte brasileira tem demostrado um contínuo avanço nas últimas décadas, fazendo com que as expectativas para setor sejam sempre envoltas pelo positivismo. Pensamento esse, que de acordo com o presidente da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), Nabih Amin El Aouar, fará do Brasil o maior produtor mundial do setor em cinco anos.

Já somos os maiores exportadores de carne bovina desde 2004, temos o maior rebanho comercial e, se o cenário se mantiver, até 2025 seremos também os maiores produtores de carne do mundo”, afirmou o dirigente.

Na curva de ascensão, o Brasil assumiu a liderança das exportações de carne bovina em 2004, atingindo 1,17 milhão de toneladas, contra 1,16 milhão/t dos Estados Unidos. “Em 2019, exportamos 1,9 milhão de toneladas, com faturamento de US$ 7,7 bilhões. Os EUA venderam 1,43 milhão/t e a Austrália cerca de 1,3 milhão/t. A liderança é consolidada”, contou o presidente à Texto Comunicação..

Contudo, de acordo com o El Aouar, o maior gargalo da pecuária de corte brasileira, hoje, é a falta de padronização das carcaças, que ocorre pela falta de conhecimento de muitos produtores. No entanto, quando superado este desafio, “não haverá limites para a carne bovina brasileira”.

Para o dirigente, essa perspectiva de crescimento ocorrerá de forma vertical e sustentável, reforçando para o mundo que o pecuarista brasileiro produz alimentos com responsabilidade.

Sobre o desempenho do setor e de todo o País no pós-pandemia, o presidente se mostrou otimista. “Após um 2019 com resultados fantásticos para a pecuária de corte, a expectativa ficou ainda maior para este ano. Por enquanto, o setor tem reagido bem à crise, com bons números de exportação. A incógnita é o consumo interno. Mesmo que tenhamos um cenário negativo a curto prazo, estou otimista que em, no médio prazo, voltaremos ao ritmo normal de desempenho, já que o brasileiro é apaixonado por carne”, finalizou.

Fonte: Texto Comunicação, adaptado pela equipe feed&food

Veja também

Frigol aparece em ranking entre as 100 principais empresas do agro brasileiro12/01 A Frigol S.A. ocupa a 68ª posição entre os Gigantes do Agronegócio, ranking da revista Forbes que identifica as cem principais empresas do agro brasileiro. A companhia aparece no ranking pelo terceiro ano consecutivo, com destaque tanto nos parâmetros de desempenho como expectativa para o futuro, divulgou a Frigol na segunda-feira (11). Com sistemas de rastreabilidade que......
Cenário segue favorável à pecuária bovina no Brasil19/01 A oferta de gado para abate no Brasil não deverá ser melhor em 2021 do que foi no ano passado, fator que, aliado a uma demanda firme da China pela carne brasileira, deverá continuar a oferecer sustentação à arroba no......

Voltar para Notícias (pt)