Notícias

Postado em 18 de Agosto às 10h12

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30

Notícias do Setor (85)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 9 DE AGOSTO DE 2017 - Estabelece os procedimentos para submissão de proposta, avaliação, validação e implementação de inovações tecnológicas a serem empregadas em qualquer etapa da fabricação de produtos de origem animal em estabelecimentos com registro no Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal – DIPOA/SDA, da Secretaria de Defesa Agropecuária – SDA/MAPA. [Pág. 11].


Postado em 18 de Agosto às 09h34

Com otimismo e previsão de bons negócios, MercoAgro 2018 é lançada em SP

Notícias do Setor (85)

A Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) sediou, no início do mês, o lançamento da MercoAgro 2018 (Feira Internacional de Negócios, Processamento e Industrialização da Carne), programada para o período de 11 a 14 de setembro de 2018, em Chapecó (SC). A feira é uma das mais exitosas iniciativas da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic).

A solenidade reuniu empresários, expositores, autoridades e profissionais de imprensa e marcou a contagem regressiva para a realização de uma das maiores feiras técnicas da indústria mundial de alimentos. O ato consistiu de apresentação do projeto geral, das condições do parque de exposições, da estrutura da cidade e das condições para participação. A nota da assessoria do evento não detalhou quais são as condições ou melhorias previstas para o parque de exposições.

Segundo a nota, o otimismo e a previsão de bons negócios emolduraram o lançamento da feira, que está com 50% dos espaços vendidos e espera fechar o ano com 75% da venda fechada. O diretor de Agronegócio da Acic, Vincenzo Francesco Mastrogiacomo, destacou que o sucesso da MercoAgro se deve ao volume de transações oportunizadas a cada edição. "Aqui se fazem negócios, por isto tem a preferência dos expositores."

O diretor expôs o desempenho do agronegócio, em geral, e das agroindústrias da carne, em particular, para mostrar que o setor se transformou na locomotiva da economia brasileira. Realçou a importância da MercoAgro em seus 24 anos de ininterruptas edições bienais. Lembrou que, nesse período, muitas empresas cresceram estimuladas pelas vendas fechadas a cada edição da feira e apoiadas pela aproximação entre fornecedores e usuários, realização de seminários e divulgação internacional.

Na Fiesp, a diretora da Enterprise Feiras e Eventos, Maria Antonia Siqueira Ferreira, contratada pela Acic para coordenar o esforço de vendas, também fez seu pronunciamento. "É essencial investir em feiras comerciais para manter o nível da receita operacional das empresas", discursou a empresária.

O diretor de feiras e eventos da Acic, Bento Zanoni, informou que a entidade está mantendo ampla articulação com a Administração Municipal, as organizações de representação da indústria e dos centros de pesquisa, o empresariado e demais parceiros - especialmente hotéis e prestadores de serviços – para assegurar plenas condições técnicas, institucionais e logísticas para a realização do evento.

A primeira reunião preparatória ocorreu também no início deste mês, com a Diretoria Executiva da associação. Na ocasião, o gerente do projeto MercoAgro, Nadir José Cervelin, apresentou um balanço de todas as providências em andamento, não detalhadas na nota à imprensa. Tão logo as providências sejam divulgadas aos órgãos de comunicação que não puderam cobrir o lançamento da feira, a CarneTec irá relatá-las neste portal.

Fonte: Carnetec


Postado em 04 de Agosto às 15h40

Volume de exportações de frango cresce 6% em julho; carne suína sobe 10% em receita

Notícias do Setor (85)

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) divulgou na quarta-feira (2) que as exportações brasileiras de carne de frango totalizaram 385 mil toneladas em julho, número que supera em 6,2% o total embarcado no mesmo período do ano passado, com 362,4 mil toneladas.

Segundo a entidade, trata-se do "primeiro saldo mensal positivo desde os equívocos ocorridos na divulgação da Operação Carne Fraca, ocorrida em março deste ano".

O resultado do mês também foi positivo em receita cambial. Ao todo, foram arrecadados US$ 619,2 milhões, saldo 2,7% superior aos US$ 603 milhões registrados em julho de 2016.

No acumulado do ano (janeiro-julho), o setor registra alta de 5,4% na receita cambial, com US$ 4,201 bilhões em 2017 - contra US$ 3,987 bilhões dos sete primeiros meses de 2016.

Já em volume, houve decréscimo de 4,6%, com 2,506 milhões de toneladas neste ano – em 2016, foram 2,628 milhões de toneladas.

“Emirados Árabes Unidos, Egito, Japão, México, Kwait, Angola e outros mercados contribuíram para o bom desempenho registrado neste mês (julho). Nossa expectativa é que o ritmo se mantenha nestes níveis até o fim de 2017, recuperando o setor exportador dos impactos negativos registrados ao longo do primeiro semestre”, disse em nota Francisco Turra, presidente executivo da ABPA.

Carne suína in natura
As exportações brasileiras de carne suína in natura registraram queda de 6,8% em julho na comparação com igual mês do ano passado. Ao todo, foram embarcadas 48,7 mil toneladas no mês passado, contra 52,2 mil toneladas de julho de 2016.

Já em receita houve incremento de 10%, com US$ 122,7 milhões, contra US$ 111,6 milhões de julho do ano passado.

O saldo das vendas nos sete primeiros meses do ano também foi positivo, chegando a US$ 863 milhões neste ano, ante US$ 685,2 milhões em 2016. No mesmo período, houve retração de 3,1% nos volumes embarcados, com 342,4 mil toneladas neste ano - no ano passado, foram 353,4 mil toneladas.

“Houve uma retração pontual nas importações de determinados mercados. A boa notícia veio de Hong Kong, que retomou suas importações em patamares razoavelmente elevados”, disse Ricardo Santin, vice-presidente de Mercados da ABPA, também em nota.

Fonte: Carnetec


Postado em 04 de Agosto às 15h27

Rally 2017 - Maior expedição técnica privada do Brasil com foco em pecuária

Notícias do Setor (85)

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) e a Agroconsult convidam para o evento de encerramento e apresentação de dados do

RALLY DA PECUÁRIA 2017

Nesta edição, o Rally - maior expedição técnica privada do Brasil com foco em pecuária – percorreu mais de 70 mil quilômetros, conhecendo e entrevistando pecuaristas. Sete equipes técnicas realizaram um levantamento completo de informações in loco sobre as condições das pastagens e da bovinocultura nas áreas de cria, recria, engorda e confinamento do país. Durante a expedição foram realizados 12 encontros regionais, além de diversas oficinas, apresentando dados de mercado para milhares de pecuaristas. Os 11 estados visitados correspondem a mais de 82% do rebanho bovino nacional e 86% da produção de carne.


Postado em 04 de Agosto às 15h24

Aurora Alimentos tem perda de R$ 2,5 milhões com roubos de cargas em 12 meses

Notícias do Setor (85)

Por Anna Flávia Rochas em 25/07/2017

A Aurora Alimentos teve prejuízo de R$ 2,5 milhões relacionado ao roubo de 65 cargas de produtos cárneos nos últimos 12 meses, totalizando 362 mil quilos, informou a companhia na segunda-feira (24).

Metade dos roubos ocorreu no estado do Rio de janeiro (32 cargas), 20 cargas foram saqueadas em São Paulo, três na Bahia, quatro em Minas Gerais, duas em Santa Catarina, três no Paraná e duas em Mato Grosso do Sul.

“O roubo de cargas representa um prejuízo fatal para muitas empresas, encarece o seguro, dificulta o transporte, inflaciona o preço final de muitos produtos e destrói o ambiente de negócios”, disse o presidente da Aurora Alimentos, Mário Lanznaster, em nota, na qual pede uma política nacional integrada de combate ao crime.

A agroindústria produtora de carnes de frango, suína e de ovos teve prejuízo de R$ 38,5 milhões em 2016 com roubo de cargas, sendo que 3,9 mil toneladas de produtos foram desviadas, segundo levantamento divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) em maio.

O problema já foi apresentado ao Ministério da Justiça pela ABPA, que pediu ações contra esses crimes.

Outro levantamento realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) aponta que as indústrias como um todo no Brasil sofreram prejuízos de R$ 6,1 bilhões entre 2011 e 2016 devido ao roubo de cargas.



Fonte: Carnetec


Postado em 28 de Julho às 10h06

Marel concorda em adquirir a Sulmaq

Notícias do Setor (85)

É com prazer que a Marel anuncia que concordou em adquirir a Sulmaq. O objetivo é fortalecer a posição da Marel na América do Sul e na América Central e assegurar um melhor acesso a um grande e crescente mercado de carne bovina e suína.

Fundada em 1971, a Sulmaq está na vanguarda do fornecimento de soluções de processamento primário das indústrias de carne suína e bovina na América do Sul e na América Central. A Marel é líder global de sistemas e serviços de processamento avançado das indústrias de aves, carnes e pescados. Juntas, a Marel e a Sulmaq estarão na vanguarda do desenvolvimento de métodos inovadores, de linha completa de soluções e equipamentos para processadores de carne em todo o mundo.

Ao logo dos anos, a Marel cresceu organicamente, bem como através da aquisição de diversas marcas de renome internacional, como MPS, Stork e Scanvaegt. A aquisição da Sulmaq está de acordo com a estratégia da Marel em ser uma fornecedora global de linha completa para as indústrias de aves, carnes e pescados. O Brasil é o segundo maior produtor de carne bovina e o terceiro maior produtor de carne de aves no mundo, e esse passo resultará em uma posição mais forte da Marel na América do Sul e na América Central.

A Sulmaq está sediada no estado do Rio Grande do Sul, localizado no sul do Brasil. A empresa emprega em torno de 400 empregados e sua função principal é o abate de suíno e bovino, corte e desossa, bem como processamento de vísceras e logística alimentar. A Sulmaq tem uma grande base instalada em toda a América do Sul e América Central e forte relacionamento com clientes. A empresa também desenvolve e fabrica peças microfundidas de precisão para diversos segmentos de mercado. A receita anual da Sulmaq é de cerca de 25 milhões de euros.

A Marel está comprometida em investir no Brasil e no mercado sul-americano e centro-americano, uma vez que a empresa acredita em seu potencial crescimento, na sua agricultura avançada e no seu acesso aos recursos para a indústria alimentícia.

Arni Oddur Thordarson, CEO da Marel:
“A Sulmaq é um excelente acréscimo ao portfólio da Marel. A Sulmaq tem uma posição muito forte na América do Sul e na América Central e tem estado na vanguarda do fornecimento de soluções primárias para carne na região. A Marel obteve muito sucesso nos mercados de aves e pescados na América do Sul nas últimas duas décadas e agora está se preparando para um maior crescimento na região. Estamos empenhados em investir em mais crescimento e inovação para agregar valor aos nossos clientes atuais e futuros Não é esperado que a aquisição cause um grande impacto nos resultados financeiros da Marel a curto prazo. No entanto, este mercado de 600 milhões de pessoas apresenta um ótimo potencial de longo prazo para o processamento de aves, carnes e pescados, tanto para o fornecimento regional como para exportação para todo o mundo”.

Fernando Roos, Diretor Comercial, Sulmaq:
"No final dos anos 2000, obtivemos uma posição de liderança no segmento de carne vermelha na América do Sul e na América Central. Hoje, vemos uma grande oportunidade em fazer parte da Marel, pioneira inovadora em nosso campo. Realmente acreditamos nas perspectivas de crescimento e de longo prazo da Sulmaq com a Marel e o valor agregado que poderemos oferecer aos nossos clientes. Fazer parte de uma organização maior também significa que nossos empregados se beneficiarão de oportunidades de carreira ainda maiores".

Conclusão da aquisição
É esperado que o fechamento da aquisição ocorra no terceiro trimestre de 2017, estando sujeito às condições habituais de fechamento. No entanto, aprovações de autoridades de defesa da concorrência não são necessárias. Os líderes da Sulmaq, Fernando Roos, Henrique Roos e Julio Roos, têm papel fundamental no futuro da Marel e continuarão em seus atuais cargos na Sulmaq. A Sulmaq conduzirá seus negócios de forma autônoma com o apoio da Marel, enquanto tais empresas trabalham na criação da configuração ideal, o que lhes permitirá atender seus clientes da melhor forma possível no futuro.

Para informações adicionais favor contatar:

Audbjorg Olafsdottir, Diretora de Relações com Investidores e Comunicação Corporativa da Marel. E-mail: audbjorg.olafsdottir@marel.com. Tel.: +354 563 8626. Celular. +354 853 8626.


Postado em 28 de Julho às 10h02

A MERCOAGRO 2018 será lançada no próximo dia 03 de agosto na FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo

Notícias do Setor (85)

Postado em 28 de Julho às 09h59

JBS vai aumentar produção em GO e MS e contrata trabalhadores para unidades de bovinos e suínos

Notícias do Setor (85)

A JBS está contratando trabalhadores em Goiás. A empresa abriu 65 vagas em Goiânia, 50 em Senador Canedo e 30 em Mozarlândia. Segundo a JBS, as contratações em Goiânia são fruto de investimento recente na ampliação da unidade, que elevará a capacidade de desossa de bovinos em 40%, para abastecer os mercados nacional e internacional. Nas outras duas unidades do Estado, o crescimento do quadro de funcionários se deve à retomada do volume de abates, afirma a JBS, em nota. Entre maio e julho, a companhia já contratou 85 pessoas em Senador Canedo e 150 em Mozarlândia.

Em Mato Grosso do Sul a JBS abriu 400 vagas. A empresa investiu na unidade de Dourados para aumentar o abate de suínos em 40% para atender às demandas dos mercados interno e externo, com carne suína in natura e industrializados, segundo a empresa. A companhia também abriu 123 vagas em outras unidades de carne bovina do Estado.

"Em todos os negócios, os investimentos fazem parte do plano estratégico de crescimento das unidades e estão em conformidade com o orçamento projetado para o período", afirmou a JBS, em nota.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO


Postado em 28 de Julho às 09h52

O Frigorífico Marfrig de Nova Xavantina comemora a reabertura ofertando a princípio 400 empregos

Notícias do Setor (85)

400 funcionários começaram a trabalhar na manhã desta terça-feira (25) no frigorífico Marfrig em Nova Xavantina, (607 km ao Leste de Cuiabá). O Prefeito João Batista Vaz – Cebola, vereadores e empresários participaram da solenidade de reinauguração no primeiro dia de abate da empresa.

De acordo com o gerente industrial do frigorífico, Ailton Marcio, foram contratados 400 funcionários nesta primeira etapa, e esse número pode chegar a 800, caso seja alcançada a capacidade máxima de abate, que é 1,5 mil ao dia. A previsão, segundo ele, é que inicialmente sejam feitos 90 abates diários.

"Estamos buscando contratar pessoas de toda a região, precisamos de mão de obra qualificada e muita gente do município já foi contratada.”, disse.

Para o prefeito de Nova Xavantina, João Vaz da Silva - Cebola (PSD), a reabertura do frigorífico de Nova Xavantina é importante para toda a região do Araguaia.

“A nossa planta com relação a tecnologia está à frente de muitos estabelecimentos do Estado, posso afirmar que em modernidade não perdemos para nenhuma planta. Antes os pecuaristas, se não abatesse em Barra do Garças, tinham que levar o animal em pé para Confresa, uma distância de 650 Km, agora temos a livre concorrência. A princípio serão ofertados de 400 A 500 empregos diretos, sem falar dos indiretos. Com certeza, as perspectivas para nossa região são as melhores”, afirmou o prefeito.

Cebola lembrou da importância dos trabalhos da CPI dos Frigoríficos. “Eu acredito que a peça mais importante para a reabertura dessa planta frigorífica, foram as recomendações feitas pela comissão, não apenas para Nova Xavantina, como também para as demais plantas anunciadas que serão reativadas em Mato Grosso. Afirmo com toda certeza, se não fosse a iniciativa do deputado Nininho, juntamente com os membros da Comissão, em conduzir os trabalhos com seriedade e transparência, nós não estaríamos vivenciando esse momento. A CPI fez o papel dela, agora vamos comemorar as oportunidades com a reabertura do mercado e a geração de emprego”, enfatizou Cebola.

Cebola não escondeu a emoção e disse estar muito feliz. “Eu estou muito feliz. Feliz demais. Feliz por esses trabalhadores que aqui estão e começaram uma nova etapa na vida deles. Estou feliz por nossa cidade. Estou emocionado. Meu sonho era ver isso acontecer e graças a Deus, aconteceu.”, comentou emocionado Cebola.
O prefeito agradeceu em especial a Deus, e a todos que direta e indiretamente ajudaram na reabertura do frigorífico. “Quero agradecer a Deus. Ao Ministro Blairo Maggi, governo do estado, aos Senadores Cidinho e José Medeiros. Aos deputados Nininho e Baiano Filho. A câmara de vereadores; empresários e amigos que engajaram conosco nesta luta.”, agradeceu.

Em entrevista ao NX1, o deputado Nininho comemorou mais uma conquista e ressaltou a logística para o abate bovino, considerando a distância de Barra do Garças a Confresa de 650 Km.

“A reabertura da planta frigorífica de Nova Xavantina talvez seja uma das conquistas mais importantes da CPI dos Frigoríficos. A unidade está instalada em uma região estratégica, brigamos muito para que isso acontecesse, haja em vista, que saindo de Barra do Garças, onde quem opera a planta é o grupo JBS, a próxima planta está localizada em Confresa, que também é comandada pelo JBS. A planta de Nova Xavantina está numa distância favorável, com o retorno do Grupo Marfrig ao mercado, a região agora pode contar com a livre concorrência”, ressaltou o deputado Nininho.

O grupo Marfrig ainda está contratando mão de obra qualificada. A pessoa que se interessar deverá levar seu Curriculum até o Sindicato Rural de Nova Xavantina.

Fonte: www.nx1.com.br


Postado em 24 de Julho às 11h40

Santa Catarina finaliza colheita de milho e tem safra 2016/17 de 3,2 milhões de toneladas

Notícias do Setor (85)

SC encerra colheita de milho com incremento de 17% na produção

Por Editores de CarneTec Brasil em 20/07/2017

Santa Catarina finaliza colheita de milho e tem safra 2016/17 de 3,2 milhões de toneladas. Como maior consumidor de milho do país, o estado comemora o incremento de 17,2% na produção do grão, fundamental para abastecer as cadeias produtivas de carnes e leite. A região com maior produção no estado é Joaçaba, com 630,2 mil toneladas colhidas, 42% a mais do que na última safra.

A região de Joaçaba é um exemplo do que vem acontecendo em Santa Catarina: para compensar a perda de área plantada para o cultivo de soja, os produtores catarinenses investem em tecnologias para aumentar a produtividade. Na safra recém-colhida, os produtores da região registraram média de 10,5 toneladas/hectare, 32,2% a mais do que na safra 2015/16, e muito mais do que a produtividade média do estado, que fechou em 8,5 toneladas/hectare.

"Santa Catarina é estado pequeno e com uma produção agrícola muito diversificada. Os produtores perceberam que o segredo está no uso de tecnologias para ampliar a produtividade e colher mais no mesmo espaço de terra. É incrível o que produzimos em apenas 1,12% do território nacional", disse em nota o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa.

Outro grande celeiro catarinense é a região de Curitibanos, que ampliou em 16,5% a produção e colheu mais de 239,5 mil toneladas na safra 2016/17. Os produtores da região colheram em média 11 toneladas/hectare, 21% a mais do que na safra anterior. O grande destaque da região é o município de Campos Novos, com 8 mil hectares plantados e uma colheita de 96 mil toneladas, um rendimento médio de 12 toneladas/ hectare.

O maior crescimento na produção aconteceu na região de Xanxerê. Os produtores colheram 41% a mais na safra 2016/17: foram 292,8 mil toneladas. Os 17 municípios da região destinam 28 mil hectares ao plantio do milho e tiveram um rendimento médio de 10,4 toneladas/hectare.

Os produtores da região de Campos de Lages também vêm se dedicando ao plantio de milho. A produção aumentou 13% na região e a safra foi encerrada em 264 mil toneladas. A produtividade média da região foi de 7,3 toneladas/hectare, 11,4% a mais do que na safra 2015/16 e um pouco abaixo da produtividade média do estado.

Aumentar a produção de milho é uma grande preocupação da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca. Destaque na produção de proteína animal, Santa Catarina é o maior consumidor de milho do país e o grão é indispensável para manter a competitividade do agronegócio no estado.

"Somos grandes produtores de suínos e aves e queremos manter esse setor consolidado em Santa Catarina, para isto precisamos de milho. Não existe suinocultura e avicultura sem milho", ressaltou Moacir Sopelsa.

Os números estão disponíveis no Boletim Agropecuário do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) deste mês.

A safra de milho silagem, utilizado na alimentação de bovinos de corte e leite, teve um aumento de 18% em Santa Catarina. O estado colheu 9,5 milhões de toneladas de milho silagem na safra 2016/17. Com uma área plantada de 221,6 mil hectares, a produtividade chega a 43 toneladas de massa verde por hectare.

Sopelsa comemora ampliação da produtividade (Fotos: Reprodução / site da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca-SC)

Fonte: Carnetec


Postado em 24 de Julho às 11h28

Mapa vai contratar 300 fiscais agropecuários e 300 veterinários

Notícias do Setor (85)

A falta de pessoal tem impedido a abertura de plantas frigoríficas e o (MAPA) irá contratar 300 auditores fiscais agropecuários e 300 médicos-veterinários para suprir a necessidade

Por Anna Flávia Rochas em 20/07/2017

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) irá contratar 300 auditores fiscais agropecuários por meio de concurso e 300 médicos-veterinários emergencialmente para suprir a necessidade de servidores para inspeção da produção de carnes no país, informou por meio de nota na quarta-feira (19).

As contratações foram autorizadas em portarias conjuntas do Mapa e do Ministério do Planejamento publicadas no Diário Oficial da União.

A solicitação para contratar os veterinários e fiscais agropecuárias foi feita pelo Mapa ao Ministério do Planejamento no fim de junho, após a União Europeia (UE) ter exigido melhora na fiscalização de produtos cárneos do país.

Segundo o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, a falta de pessoal tem impedido a abertura de plantas frigoríficas, atrasando o aumento da produção nacional.

Os médicos-veterinários que serão contratados emergencialmente terão contrato de um ano, com possibilidade de prorrogação, e receberão salários mensais de R$ 6.710,58. O secretário executivo do Mapa, Eumar Novacki, disse que o edital para contratação deverá ser publicado até sexta-feira (21). “Queremos estar, no máximo em 60 dias, com o concurso formatado e publicado”, disse por meio de nota.

Já o concurso público para auditores fiscais federais agropecuários deverá ser publicado em até seis meses. A remuneração inicial será de R$ 14.584,71 e as 300 vagas serão destinadas exclusivamente a profissionais médicos-veterinários, que irão suprir demandas da Secretaria de Defesa Agropecuária (DAS) do ministério.
“As nomeações dependerão de prévia autorização do Ministério do Planejamento, que deverá confirmar as vagas e disponibilidade orçamentária”, informou o Mapa.

A qualidade da fiscalização de frigoríficos brasileiros tem sido questionada por autoridades sanitárias de países compradores de carnes brasileiras desde março, quando a Polícia Federal revelou esquema de corrupção envolvendo fiscais federais e funcionários de algumas plantas frigoríficos, na Operação Carne Fraca.
Na semana passada, o jornal Valor Econômico revelou informação da delação premiada do CEO da JBS Wesley Batista, na qual o executivo informa que a companhia realizou pagamentos mensais a 200 fiscais federais, por muitos anos. Segundo a JBS, os pagamentos visavam remunerar os auditores pelas horas extras de trabalho na inspeção dos produtos, já que o Mapa não dispõe de número suficiente de fiscais.

Fonte: Carnetec


Postado em 24 de Julho às 11h18

Frigoríco de peixe da C.Vale próximo da inauguração

Notícias do Setor (85)

Sete meses depois do início das obras civis, a construção do frigorífico para peixes da C.Vale está dentro cronograma previsto. Até o início desta semana, as empreiteiras envolvidas no projeto haviam concluído 70% dos trabalhos. As atividades se concentram nas instalações elétricas e de automação, e a montagem dos equipamentos de refrigeração e de vapor. Os operários também começaram a colocação de portas e janelas e aplicação de revestimento no piso da indústria.

A nova planta industrial, que começou a ser construída em novembro de 2016, terá 10.012 metros quadrados e funcionará próximo ao abatedouro de frangos, onde já existe a infraestrutura para garantir o fornecimento de energia elétrica e tratamento de efluentes. A previsão da C.Vale é inaugurar o novo empreendimento em outubro, mês em que se completam 20 anos de atividades do complexo avícola da cooperativa. Inicialmente a nova planta industrial irá abater 75 mil tilápias/dia. A estrutura física em construção permitirá a duplicação do processamento de peixes apenas com a instalação de uma segunda linha de produção.

Associados da cooperativa já estão criando os primeiros lotes de tilápias que deverão estar prontos até outubro. "Estamos criando mais uma alternativa de renda para os nossos produtores. O oeste do Paraná é o maior polo de produção de peixes do estado, então estamos aproveitando uma vocação natural da região", explica Alfredo Lang, presidente da C.Vale.

Setenta por cento dos trabalhos foram concluídos até o início desta semana

Abatedouro de peixes
Investimento: R$ 110 milhões
Produção inicial: 75 mil tilápias/dia
Área construída: 10.012 m2
Integrados: 300
Novos empregos: 400
Operários na construção: 70
Empresas: 4

Fonte: http://www.cvale.com.br/noticia.php?id=2501


Postado em 18 de Julho às 13h43

PORTARIA CAT Nº 55

Notícias do Setor (85)

PORTARIA CAT Nº 55, DE 07/07/2017
CONCEDE CRÉDITO OUTORGADO PARA ESTABELECIMENTO ABATEDOR E INDUSTRIAL FRIGORÍFICO

Portaria CAT nº 55, de 07/07/2017

A Portaria CAT nº 55 dispõe sobre a opção por crédito outorgado em substituição ao aproveitamento de demais créditos nas saídas internas realizadas por estabelecimento abatedor e estabelecimento industrial frigorífico.

Nas saídas internas, poderão creditar-se da importância equivalente à aplicação do percentual de 7% sobre o valor da saída, observadas as condições do RICMS (Anexo III, art. 40). Observa-se que o crédito substitui o aproveitamento de outros, exceto aquele relativo à entrada de gado bovino ou suíno em pé e aqueles relativos aos art. 27 e 35 do Anexo III do RICMS.

O benefício é opcional e o contribuinte deve declarar formalmente sua opção em todos os estabelecimentos localizados em São Paulo. A Portaria já está em vigor e produzindo efeitos desde 1º/07/2017.


Postado em 18 de Julho às 13h37

Custos de produção de aves e suínos caem mais de 30% em 12 meses

Notícias do Setor (85)
Expomeat 2017 Por Anna Flávia Rochas em 18/07/2017 Os custos de produção de aves e suínos no Brasil caíram mais de 30% nos últimos 12 meses, refletindo a redução nos custos de...

Por Anna Flávia Rochas em 18/07/2017

Os custos de produção de aves e suínos no Brasil caíram mais de 30% nos últimos 12 meses, refletindo a redução nos custos de grãos usados na nutrição animal, segundo levantamento da Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa.

O índice que mede o custo de produção de suínos (ICPSuíno) fechou junho em 184,84 pontos, queda de 31,1% nos últimos 12 meses, redução de 0,28% na comparação com maio e de -16,92% no primeiro semestre deste ano.

Nos últimos 12 meses, o custo de nutrição de suínos caiu 30,55%.

Em Santa Catarina, maior produtor nacional de suínos, o custo de produção do quilo de suíno em ciclo completo ficou em R$ 3,23 em junho, R$ 0,47 a menos que em janeiro, segundo a Embrapa.

O custo de produção de frangos medido pelo ICPFrango ficou em 177,72 pontos em junho, queda de 30,37% em 12 meses, redução de 0,41% ante maio e -16,27% no ano.

Os gastos com nutrição das aves caíram 28,87% em 12 meses.

No Paraná, maior produtor de frangos, o custo da produção foi de R$ 2,30 por quilo de frango vivo em junho.

Fonte: Carnetec


Postado em 18 de Julho às 12h52

Brasil mantém sua potência como produtor de Proteína Animal

Notícias do Setor (85)