News

Postado em 27 de Janeiro de 2016 às 17h31

2015 foi DELAS! Três mulheres roubaram a cena no setor de feiras e eventos de negócios no ano que passou

Veja quem são elas:

Expomeat 2017 Veja quem são elas: Em um segmento de mercado, como o de feiras e eventos de negócios, onde a presença masculina sempre foi imperativa até pouco tempo, as mulheres começam a se destacar, entre elas, Maria...

Em um segmento de mercado, como o de feiras e eventos de negócios, onde a presença masculina sempre foi imperativa até pouco tempo, as mulheres começam a se destacar, entre elas, Maria Antonia.

Para muitos, o mercado de carne sem ela estava sem graça. E ela voltou. A empresária Maria Antônia S. Ferreira, criou a Enterprise Feiras & Eventos e retornou com força total ao ramo com o lançamento das feiras MercoAgro e ExpoMeat, voltadas à indústria frigorífica. Sua irreverência e carisma sempre marcaram seus mais de 30 anos como editora de revistas e organizadora de feiras para os segmentos de carnes, lácteos e pescado. Após vender as feiras TecnoCarne e ExpoAgro para a BTS Informa, ficou, por questões contratuais, no freezer por um tempo, mas em 2015 retornou ao segmento e demonstrou mais soberania do que nunca.



Fonte: Canais do Pulse


Postado em 26 de Outubro de 2015 às 14h11

Production and exportation data of meat in Brazil

Expomeat 2017 Brazil is the main exporter of cattle and chicken meat in the world and fourth on the list of the main pork exporters, according to a survey made by the Agribusiness Department of the Industries Federation of the São Paulo...

Brazil is the main exporter of cattle and chicken meat in the world and fourth on the list of the main pork exporters, according to a survey made by the Agribusiness Department of the Industries Federation of the São Paulo State (Fiesp), based on 2014 data.

According to the survey, the country is the second main beef producer, the third in the list of poultry producers and the fourth biggest producer of pork in the world.

Check the complete data:


Postado em 20 de Outubro de 2015 às 13h44

Occupying your space

Expomeat 2017 By Ilce Maria Silveira, Frigonews Magazine Director The inexistence of the void guided one of the most important debates in the history of philosophy, and then of physics. Until now the matter is controversial. But if you...

By Ilce Maria Silveira, Frigonews Magazine Director

The inexistence of the void guided one of the most important debates in the history of philosophy, and then of physics. Until now the matter is controversial. But if you cannot state categorically that nature abhors the void, it is safe to say that the marketing in the commercial and industrial activity also does. The current situation of the production chain of animal protein reflects, as it should be, the effects of an economic crisis still without defined horizons, while maintaining its enormous potential thanks to the excellent work done over time by its leaders, witnessed by the pioneer Dipemar group, headed by Maria Antonia Siqueira Ferreira, creator, organizer and director of an entire marketing and media set.

Returning from a long sabbatical, developing successfully her sensitivity in the world of art, she never failed to monitor the activity of all sectors of this production chain. So, from the perspective of Maria Antonia, each sector has its own characteristics, coinciding, however, that this is the time for productivity to cover this void.

It must be emphasized that in the case of beef and chicken, Brazil stands as the world's main exporter and, in fact, if you can capture a sizeable share of the world market growth, the country will have to magnify the domestic production. This would result in exponential profits and, particularly in the case of the production chain of beef, the possibility of accelerating the indispensable process of intensification of productivity through significant gains in productivity.

Regarding the chain pork production, Maria Antonia considers that a major expansion of exports will represent the possibility to reach a dreamed larger scale of production and, above all, greater stability of demand, whose disability has been responsible for many industry cyclical crises. This will bring highly beneficial consequences not only on the competitiveness of Brazilian products, but also in penetrating the internal market itself.

The experience in monitoring the fishing industry accumulated by the editing of National Fishery Magazine since its first release, whose activity has always counted on the participation of her father in the historic formatting, grants Maria Antonia fundamental knowledge to expound authoritatively her analysis of the current moment.

For Maria Antonia, all alleles involved in Brazilian fish farming need to be aware of the necessity to give qualitative and quantitative steps in the process of maturation and professionalization. For this to happen, some immediate actions are required, primarily in the marketing area.

These actions are needed to organize and seek the best ways of communicating with consumers in order to have better value placement, visibility, and transparency on the nutritional and market attributes of the product.

All this expertise of Maria Antonia prepares her return to the market focusing on the existing void in the task of enhancing the synergy of the processing chain of animal protein. The consequence will be the exhibition, dissemination and promotion of the most updated set of inputs for meat, dairy, and fish processing.


Postado em 14 de Outubro de 2015 às 13h34

Produção agropecuária cresce 1% em 2015 e supera R$ 473 bilhões

Expomeat 2017 Stênio Ribeiro – Repórter da Agência Brasil O café foi um dos produtos cujo valor de produção subiu Arquivo/Agência Brasil O Valor Bruto da Produção...

Stênio Ribeiro – Repórter da Agência Brasil

O café foi um dos produtos cujo valor de produção subiu Arquivo/Agência Brasil

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) brasileira chega a R$ 473,2 bilhões no ano, com base nas atualizações feitas em agosto pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O valor é 1% maior do que os R$ 468,6 bilhões registrados em 2014.

Os ganhos na pecuária chegam a 2,2% e elevam a produção do setor para R$ 169,88 bilhões, enquanto as 21 culturas analisadas aumentaram 0,3% e totalizam R$ 303,34 bilhões, informou o coordenador-geral de Estudos e Análises da secretaria, José Garcia Gasques.

Gasques disse que, neste ano, há uma combinação de ganhos de produtividade de grãos da ordem de 5,3% em relação ao ano passado, embora os preços estejam mais baixos para a maior parte das commodities (produtos básicos com cotação internacional) agrícolas. Daí o crescimento de apenas 0,3% no VBP agrícola.

Os produtos com maior acréscimo no valor da produção foram: cebola (147,5%), mamona (99,4%), pimenta do reino (58,6%), trigo (7,5%), soja (3,7%), milho (3,4%) e café (1,6%). Em contrapartida, as maiores quedas em faturamento foram registradas com a maçã (- 21,6%), a uva (-19,2%), o tomate (-13,8%), a batata (-8,8%) e a mandioca (-8,3%).

A pecuária mostra desempenho melhor, principalmente por causa dos resultados positivos da carne bovina, que teve incremento de 10,2% no ano, dos ovos e suínos, com aumentos mais modestos, afirmou Gasques. Compensam, contudo, as retrações de 6,5% e de 3,5% nas produções de leite e de carne de frango, respectivamente.

As estimativas regionais mostram que a liderança do VBP continua com a Região Sul (R$ 136,96 bilhões), seguida pelo Centro-Oeste (R$ 127,34 bilhões), Sudeste (R$ 120,11 bilhões), Nordeste, (R$ 47 bilhões) e Norte (R$ 27,97 bilhões).



Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-09/producao-agropecuaria-cresce-1-em-2015-e-supera-r-473-bilhoes


Postado em 14 de Outubro de 2015 às 11h57

Empresários brasileiros fecham quase US$ 100 milhões em negócios na Rússia

Expomeat 2017 Ana Cristina Campos - Repórter da Agência Brasil Comitiva brasileira visita estandes do Brasil na feira World Food na Rússia. Negócios chegaram a R$ 99,9 milhões Romério Cunha/Vice...

Ana Cristina Campos - Repórter da Agência Brasil

Comitiva brasileira visita estandes do Brasil na feira World Food na Rússia. Negócios chegaram a R$ 99,9 milhões Romério Cunha/Vice -Presidência

Empresários brasileiros que participaram da feira World Food Moscow, na Rússia, na semana passada, fecharam negócios no valor de US$ 99,9 milhões nos quatro dias de evento. De acordo com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento (Apex-Brasil), o número engloba o que foi negociado durante a viagem e o previsto para os próximos 12 meses, resultado das 430 reuniões feitas com compradores russos.

A presença de 20 empresas brasileiras na maior feira de alimentos, bebidas e agronegócios da Rússia, entre os dias 14 e 17 deste mês, foi organizada pela Apex-Brasil, em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne e a Associação Brasileira de Proteína Animal.

A feira ocorreu na mesma semana da missão empresarial brasileira à Rússia e à Polônia, liderada pelo vice-presidente da República, Michel Temer. “Os resultados da missão foram muito positivos no que diz respeito ao incremento de negócios entre o Brasil e os dois países visitados, que fazem parte dos mercados prioritários do Plano Nacional de Exportações e são alvos das ações de promoção comercial e atração de investimentos desenvolvidas pela Apex-Brasil”, disse, em nota, o presidente da agência, David Barioni Neto.

Mercado russo

De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne, Antonio Jorge Camardeli, as empresas procuraram buscar novas oportunidades na feira, pois houve uma redução de 20% das vendas para a Rússia este ano por causa da queda do preço do petróleo, item fundamental da economia russa, e da acentuada desvalorização cambial do rublo (moeda russa), o que diminuiu o poder de compra dos russos. Os frigoríficos brasileiros estão tentando se adaptar ofertando cortes diferenciados para continuar no mercado russo, informou Camardeli, na abertura da feira.

Segundo a Apex-Brasil, a relação comercial entre Brasil e Rússia é concentrada nas exportações brasileiras de carnes. As carnes bovina, suína e de frango representaram 63,5% do total das vendas brasileiras para o mercado russo no ano passado. Em 2014, o Brasil exportou US$ 3,8 bilhões para a Rússia e importou US$ 3 bilhões, resultado em um superávit de US$ 800 milhões na balança comercial, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-09/empresarios-brasileiros-fecham-quase-us-100-milhoes-em-negocios-na-russia


Postado em 28 de Junho às

Agricultura negocia para ampliar mercado externo de carne

Expomeat 2017 Stênio Ribeiro – Repórter da Agência Brasil Para Kátia Abreu, a negociação mais significativa, que pode render US$ 502 milhões/ano, é com o JapãoAntonio...

Stênio Ribeiro – Repórter da Agência Brasil

Para Kátia Abreu, a negociação mais significativa, que pode render US$ 502 milhões/ano, é com o JapãoAntonio Cruz/Agência Brasil

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, anunciou hoje (9) que o Brasil está em fase final de negociações com 18 países para incluir alguns produtos na pauta de exportações brasileiras, principalmente carnes.

De acordo com estimativa do ministério, as negociações têm potencial para acrescentar US$ 1,95 bilhão por ano às vendas externas do país. O montante se somará às negociações do primeiro semestre, que vão gerar divisas calculadas em US$ 1,438 bilhão por ano.

De acordo com a ministra, a negociação mais significativa, que pode render US$ 502 milhões/ano, é com o Japão, que está disposto a assinar, no fim deste ano, acordo para compra de carne bovina processada. Ela iniciou as conversas com o governo japonês há dois meses, durante viagem a Tóquio.

Há perspectiva de venda de carne bovina in natura também para o Canadá (US$ 190 milhões), México (US$ 165,7 milhões) e Arábia Saudita (US$ 73,9 milhões), além de carne suína para a Coreia do Sul (US$ 107,8 milhões) e África do Sul (US$ 4,9 milhões) e carne de frango para a Malásia (US$ 46,3 milhões).

A ministra comemorou o avanço das negociações com a Arábia Saudita, que comunicou a aprovação da documentação brasileira. Ela adiantou que falta apenas a assinatura do acordo de abertura de mercado para habilitar os frigoríficos interessados.

Além de carnes, há negociações para venda de produtos lácteos e alimentos de cães e gatos para a China, material genético de aves e sêmen bovino para a Costa Rica, complexo soja para o Sri Lanka, farinha de carne e alimentos de animais para Rússia, limões e limas para a Nova Zelândia e material genético de aves para a República Dominicana e para os países que formam a União Econômica Eurasiática (Rússia, Armênia, Casaquistão, Bielorrússia e Quirguistão).

 

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-09/agricultura-negocia-para-ampliar-mercado-externo-de-carne