Notícias

Postado em 28 de Julho às 13h26

Marfrig rastreará gado de abate

EXPOMEAT 2019 A fim de auxiliar na contenção do desmatamento na Amazônia, a Marfrig Global Foods anunciou um compromisso para rastrear a origem de todo o gado abatido, desde a criação do bezerro. A iniciativa...

A fim de auxiliar na contenção do desmatamento na Amazônia, a Marfrig Global Foods anunciou um compromisso para rastrear a origem de todo o gado abatido, desde a criação do bezerro. A iniciativa Marfrig Verde+ tem como meta implementar o rastreamento completo até 2025.

De acordo com a empresa, entrevistada pelo portal Valor Econômico, a ação visa evitar a compra de gado de áreas desmatadas da Amazônia, mesmo indiretamente. Com ela, os investimentos em sustentabilidade da companhia irão superar R$ 500 milhões até 2030.

“É desafiador, mas alguém tinha que fazer”, contou o fundador e controlador da Marfrig, Marcos Molina, ao informativo. O mesmo espera que, com o pontapé inicial dado pela empresa, o governo e outros frigoríficos se engajem na mesma ação.

O PROJETO

A iniciativa da Marfrig, batizada de “Marfrig Verde +” também tem como objetivo, gradualmente, rastrear o fornecedor indireto. Para isso, a companhia lançará diversas ferramentas, como um mapa de mitigação de risco que segundo o portal "já estava em construção e que vai sobrepor as regiões típicas de produção de bezerros com áreas de vegetação nativa", para assim cruzar com os dados dos alertas de desmatamento e as áreas das propriedades rurais dos fornecedores diretos da companhia.

“Se tenho alta presença de vegetação nativa, posso concentrar o esforço por regiões em função do risco”, afirmou o diretor de sustentabilidade da Marfrig, Paulo Pianez, executivo responsável pelo projeto. Pelo cronograma estruturado, o mapa entrará em operação no próximo ano.

Ainda segundo a empresa, ação também passará pelo relacionamento com os fornecedores diretos, canal essencial para rastrear os indiretos e entre as medidas, também está a criação de linhas de crédito subsidiada para que os pecuaristas possam investirem genética e recuperação de pastagens, podendo contar com recursos da companhia e de parceiros que se associem ao projeto.

Com essa aproximação, a Marfrig acredita conseguir mais dados sobre os fornecedores indiretos de cada um dos produtores que vendem gado para o grupo. "Ainda não há detalhes sobre as medidas que serão adotadas, mas uma das ideias é contar com auditoria para verificar as Guias de Trânsito Animal (GTA) emitidas para a movimentação de animais entre o fornecedor direto e indireto. A partir do cruzamento dessas guias com o georreferenciamento de fazendas, pode ser possível detectar se as propriedades estão irregulares", explicou o portal em matéria públicada na manhã desta quinta-feira.

Fonte: Valor Econômico, adaptado pela equipe feed&food

Foto: Gabriel Faria
 

Veja também

Prêmio CARNE FORTE reconhece os melhores do setor de proteína animal no ano de 201728/04/18 Chegou a hora de estimular as personalidades do seu setor da carne. O Prêmio CARNE FORTE tem por finalidade destacar e valorizar as personalidades mais importantes da cadeia produtiva da proteína animal, considerados os melhores do ano pelo setor, pela classe jornalística, entidades de classe e fornecedores de frigoríficos. Quem pode votar? Entidades do setor, imprensa......
BioConnection: Utensílios especiais para HIGIENE TOTAL29/08/19 Pela primeira vez no Brasil, a Bioconnection traz a linha da lider mundial Hillbrush que opera desde 1922 com produtos de alta performance para limpeza, higiene e controle microbiológico. Em destaque a linha Resin-Set COM cerdas fixadas com......
HIGHTECH estuda participar da EXPOMEAT07/04 A HIGHTECH analisa a sua participação na EXPOMEAT 2021, que acontece entre os dias 21 e 23 de setembro, no Pavilhão de Exposições Anhembi, em São Paulo. A HIGHTECH foi fundada em 1988 e com pouco tempo de......

Voltar para Notícias (pt)