Notícias

Postado em 09 de Junho às 13h26

Sem Rússia, SC amplia exportações de carne suína para China, Chile e Argentina

EXPOMEAT 2019 Spies: enquanto algumas portas se fecham, outras se abrem (Reprodução site Seap/SC) Há seis meses sem vender carne suína para a Rússia, as agroindústrias de Santa Catarina focam em...

Spies: enquanto algumas portas se fecham, outras se abrem (Reprodução site Seap/SC)

Há seis meses sem vender carne suína para a Rússia, as agroindústrias de Santa Catarina focam em outros mercados e ampliam as exportações para China, Chile e Argentina. Em abril, os três países foram os principais destinos da carne suína produzida no estado – respondendo por 70,3% do faturamento com as exportações do produto. O incremento nas vendas para outros países tem minimizado os efeitos do embargo russo para as carnes brasileiras.

No mês passado, Santa Catarina respondeu por 52,8% do faturamento brasileiro com as exportações de carne suína. O estado embarcou 20,4 mil toneladas do produto, arrecadando US$ 49,1 milhões. A quantidade vendida foi 20,2% menor do que em março e o faturamento teve uma pequena queda de 3,7%, explicada pelas compras de produtos com maior valor agregado.

O principal destino para a carne suína catarinense é a China, que ampliou o valor das importações em 232,6% em abril, em relação ao mesmo período de 2017. O país adquiriu 8,5 mil toneladas do produto por US$ 22,4 milhões. Os chineses vêm se consolidando como os maiores compradores de carne suína do estado – só este ano foram 81,6 mil toneladas vendidas para o país asiático.

Chile e Argentina também aumentaram as importações da carne suína catarinense. Em abril, as vendas para os dois países geraram faturamento de, respectivamente, US$ 6,5 milhões (+81,5%) e US$ 5,6 milhões (+153,1%).

Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, a tendência é de reacomodação de mercados, o que contribui para restabelecer os volumes exportados pelo Brasil e por Santa Catarina.

“Como o Brasil exporta carnes para mais de 150 países, enquanto algumas portas se fecham outras se abrem. Temos carnes de alta qualidade, com custos competitivos e empresas com sólido relacionamento e tradição no mercado internacional. As expectativas são de continuidade no crescimento das exportações a médio e longo prazo”, disse Spies em nota.

No acumulado do ano, o estado vendeu 91 mil toneladas de carne suína com receitas de US$ 193,2 milhões. Santa Catarina responde por 46,7% do total exportado pelo país em 2018.

Os números foram divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio e Serviços (Mdic) e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), de Santa Catarina, considerando os valores exportados de carne in natura, industrializada e miudezas.

Fonte: Carnetec

Veja também

A busca pela produtividade e qualidade nos frigoríficos de bovinos: Parte 2 – Do campo até o frigorífico17/04 A partir da escolha certa da matéria-prima, precisamos estar atentos a alguns cuidados para que possamos seguir a busca pela alta produtividade e pela qualidade com relação à carne bovina do campo até a mesa do consumidor. E os trabalhos na fazenda (manejo, genética e alimentação) são muito importantes quando buscamos melhorar a produtividade dos......

Voltar para Notícias (pt)