Notícias

Postado em 05 de Outubro de 2017 às 13h42

Sindicarne/SC comemora ampliação do mercado internacional para carne suína do país

EXPOMEAT 2019 A abertura do mercado peruano para a carne suína brasileira - anunciada na semana passada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) - também está sendo comemorada em Santa...

A abertura do mercado peruano para a carne suína brasileira - anunciada na semana passada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) - também está sendo comemorada em Santa Catarina, desta vez pelo Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados (Sindicarne/SC). Na semana passada, a Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA) já havia lançado nota elogiando a conquista.

Por meio de nota à imprensa, o diretor executivo do Sindicarne/SC, Ricardo de Gouvêa, disse que, embora não haja projeção de vendas potenciais, o fato de ser um mercado próximo torna mais fácil a operação exportacionista.

O anúncio da abertura foi feito pelo ministro Blairo Maggi durante missão oficial ao Peru. O Mapa prevê que os ajustes bilaterais para a abertura do mercado deverão ocorrer até 30 de novembro.

O Sindicarne/SC avaliou que o acordo representa uma importante conquista para o setor de proteína animal do Brasil, que será beneficiado com a expansão dos negócios na América do Sul, uma região com expressiva participação nos embarques da carne suína brasileira.

Gouvêa destacou que a qualidade da carne brasileira, o estágio avançado das indústrias de processamento de carne, a segurança do sistema de inspeção e a tradição de sanidade do Brasil - e, em especial, de Santa Catarina, que é área livre de aftosa sem vacinação - foram determinantes nessa conquista.

“É fundamental aumentarmos a participação do Brasil nos mercados mundiais e ampliarmos as relações comerciais com os países sul-americanos dentro e fora do bloco do Mercosul”, disse o dirigente.

De acordo com a ABPA, entre os dez maiores importadores de carne suína do Brasil, três são da América do Sul. A Argentina lidera as importações na região, com 21,3 mil toneladas nos oito primeiros meses deste ano. Em seguida vem o Uruguai, com 20 mil toneladas, e o Chile, com 14 mil toneladas.

A abertura do Peru pode influenciar positivamente os embarques de carne suína brasileira, especialmente a partir de 2018. Trata-se de um valioso mercado, com mais de 30 milhões de habitantes e com potencial de crescimento de consumo, no qual o Brasil poderá complementar a demanda, auxiliando a segurança alimentar da população.

Fonte: Carnetec

Veja também

China, Chile e Egito retomam compras de carnes brasileiras27/03/17 China, Chile e Egito anunciaram ao governo brasileiro a retomada das compras de carnes produzidas no Brasil, sendo que a suspensão de embarques ficará restrita apenas às plantas frigoríficas investigadas na Operação Carne Fraca, informou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em comunicados no sábado (25). Mais de uma dezena de......
Taiwan abre mercado para exportadores de genética avícola do Brasil08/03/17 A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) foi informada pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) que Taiwan abriu seu mercado para as empresas exportadoras de genética avícola do......
Exportações brasileiras de carne suína encerram 2016 com alta de 32% em volume18/01/17 Confirmando o bom ano vivido pela suinocultura do Brasil no mercado internacional, as exportações do setor (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 732,9 mil toneladas em 2016, volume que supera em 32% as 555,1......

Voltar para Notícias (pt)