Notícias

Postado em 26 de Janeiro às 10h22

Três municípios da região de Sorocaba se destacam no setor avícola

Notícias do Setor (117)

Capela do Alto, Porto Feliz e Araçoiaba da Serra são as cidades que lideram a avicultura entre 15 municípios da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), segundo o levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a pecuária municipal nos anos de 2014 e 2015. Segundo os dados do IBGE, os três municípios da RMS criaram no total 6.398.281 aves para a produção de frango de corte em 2015. Capela do Alto foi a cidade da RMS que teve a maior produção no período, sendo responsável pela criação de 4.575.018 em 2015 e 4.968.000 em 2014. Segundo a Prefeitura de Capela, a avicultura é responsável por cerca de 20% da economia do município, que é predominantemente agrícola. Na soma total, a criação de galináceos nos 15 municípios da RMS chegou a 8.146.132 cabeças em 2015. Os dados de 2016 ainda não foram divulgados pelo IBGE.

De acordo com o IBGE, além da avicultura, Capela do Alto também se destaca na suinocultura, porém com uma produção menor. No total, o município criou 24.800 cabeças em 2015 contra 32.657 em 2014, o que representou uma queda de 24,06%. Segundo o vice-prefeito de Capela, Henrique Daniel Lima, a principal causa para a queda na criação de aves e de porcos na cidade foi o custo de produção. "No caso da avicultura são em média cerca de 30 pequenos produtores que criam aves em sistema integrado, onde a produção é destinada para grandes empresas da região, como Itapetininga e Boituva."

Já Porto Feliz, segunda maior cidade da RMS na criação de aves, a produção total de galináceos teve aumento de 3,77% entre 2014 e 2015. De acordo com os dados do IBGE, a criação de galináceos no município passou de 1.340.618 cabeças para 1.391.263. Além da avicultura, Porto Feliz ainda se destaca na pecuária com a criação de bovinos. No mesmo período, o município criou 23.590 cabeças em 2014 e 23.600 em 2015.

E Araçoiaba da Serra aparece em terceiro lugar no levantamento do IBGE sobre a criação total de galináceos no município. Foram 532.278 cabeças em 2014 contra 432.000 em 2015, o que representou uma queda de 18,84%. Já a produção de bovinos na cidade teve um pequeno aumento no mesmo período e passou de 10.567 para 10.899.

Os municípios da RMS considerados pelo levantamento do IBGE foram: Araçoiaba da Serra, Capela do Alto, Ibiúna, Iperó, Itu, Mairinque, Piedade, Pilar do Sul, Porto Feliz, Salto, Salto de Pirapora, São Miguel Arcanjo, São Roque, Sarapuí e Sorocaba.

Avicultura vive altos e baixos na RMS
Das 15 cidades da RMS apontadas no levantamento sobre pecuária municipal do IBGE, oito tiveram aumento na criação de aves, seis tiveram queda e apenas uma manteve o mesmo total, entre 2014 e 2015. No período analisado, o destaque foi para Ibiúna, que aumentou o número de cabeças de aves em quase 3.000%, passando de 1.045 para 30.000.

Em segundo lugar, a avicultura também cresceu em São Miguel Arcanjo no mesmo período. Segundo os dados da pesquisa, a criação de galináceos na cidade passou de 85.730 em 2014 para 125.752, o que representa um aumento de 46,68%. E em terceiro aparece Sarapuí no aumento na criação de aves no mesmo período: 19,67%. De acordo com os dados, enquanto em 2014 o número de cabeças foi de 140.300 galináceos, o total passou para 167.900 no ano seguinte.

Já os municípios de Mairinque (19,16%), Pilar do Sul (12,88%), Salto de Pirapora (4,02%), Porto Feliz (3,77%) e São Roque (2,45%) tiveram aumentos menores na criação de aves de 2014 para 2015.
E os municípios que apresentaram queda na criação de aves no mesmo período foram Araçoiaba da Serra, Capela do Alto, Iperó, Itu, Salto e Sorocaba. A cidade de Piedade foi a única que manteve os mesmos números entre 2014 e 2015 (8 mil cabeças).

Para o presidente do Sindicato Rural de Sorocaba, Luiz Antonio Marcello, a cidade tem pouca representatividade na área da pecuária sobretudo porque a zona rural do município é de no máximo 14% atualmente. Segundo ele, a criação de bovinos, por exemplo exige grandes áreas, mas a produção de aves pode ser feita em espaços menores. "Além disso, outra questão é o valor das áreas rurais na cidade que são altos, o que desestimula ainda mais o investimento na pecuária local", afirma.

Fonte: IBGE

Veja também

Aurora é homenageada no Prêmio Carne Forte11/05 O presidente da Aurora Alimentos, Mário Lanznaster, foi um dos homenageados na entrega do Prêmio Carne Forte, reconhecimento entregue hoje, dia 9, na solenidade de abertura da Expomeat, em São Paulo (SP). Representado pelo presidente do Conselho Diretivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e Diretor Comercial da Aurora, Leomar Somensi, Lanznaster foi......

Voltar para Notícias (pt)