21 A 23
DE SETEMBRO DE 2021

Das 14h às 20h

Pavilhão de Exposições Anhembi - São Paulo/SP

Notícias

Postado em 14 de Julho às 11h19

Santa Catarina lidera exportações nacionais de carne suína no primeiro semestre

Notícias do Setor (228)
EXPOMEAT 2021 Maior produtor nacional de carne suína, Santa Catarina segue ampliando os embarques do produto em 2020. No primeiro semestre do ano, o estado exportou 243,8 mil toneladas de carne suína, faturando mais de US$ 545,8...

Maior produtor nacional de carne suína, Santa Catarina segue ampliando os embarques do produto em 2020. No primeiro semestre do ano, o estado exportou 243,8 mil toneladas de carne suína, faturando mais de US$ 545,8 milhões. Esses são os maiores valores já registrados por Santa Catarina desde o início da série histórica, em 1997.

Santa Catarina respondeu por 56% de toda carne suína exportada pelo Brasil durante o ano. De janeiro a junho, o estado ampliou em 20,6% a quantidade embarcada para outros países e em 38,6% o faturamento em relação ao mesmo período do ano anterior.

“A carne suína é um dos grandes destaques da produção e da exportação de Santa Catarina. Os resultados obtidos nos últimos anos e nesse primeiro semestre de 2020 demonstram o potencial e a importância dessa cadeia produtiva para o estado, não só no impacto econômico, mas também social, com dezenas de milhares de empregos gerados em todo território catarinense”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa.

Em maio, os catarinenses registraram o recorde histórico nas exportações mensais de carne suína e, mesmo com uma pequena queda, junho manteve esse resultado acima do esperado. “Para que se tenha uma ideia, junho trouxe o segundo maior valor exportado num único mês em toda a série histórica, ficando atrás apenas de maio deste ano. E as perspectivas seguem bastante favoráveis, com a projeção de um novo recorde de exportações para este ano”, explica o analista da Epagri/Cepa, Alexandre Giehl.

CRESCIMENTO MESMO EM MEIO À PANDEMIA

O crescimento nas exportações traz mais tranquilidade ao setor produtivo catarinense e deve equilibrar a queda na demanda interna em decorrência da crise econômica gerada pela Covid-19. O gerente executivo do Sindicato das Indústrias de Carnes (Sindicarnes-SC), Jorge Luiz de Lima, ressalta que os resultados do primeiro semestre deste ano trazem uma perspectiva de crescimento após a pandemia, com melhoria de mercado e aumento nas vendas externas.

“O setor agroindustrial, especificamente a produção de suínos, teve uma importância muito grande para o estado de Santa Catarina neste primeiro semestre, ainda que tivemos no início deste ano a pandemia da Covid-19. Isso demonstra a força do setor, a qualidade dos produtos que temos em Santa Catarina e o reconhecimento do mercado externo. Isso nos traz um compromisso ainda maior de continuarmos atentos às questões sanitárias e combinando sempre a segurança do trabalhador e a qualidade do nosso produto”, afirma.

CHINA SEGUE COMO O MAIOR MERCADO

A China é o principal mercado internacional da produção catarinense, com 139 mil toneladas adquiridas - um crescimento de 87,2% em relação ao primeiro semestre de 2019. O gigante asiático é o destino de 60,4% das exportações da carne suína produzida em Santa Catarina, gerando US$ 329,9 milhões em recursos. No primeiro semestre de 2020, o faturamento com os embarques para a China aumentou em 110,8%.

Outros mercados importantes para a suinocultura catarinense são Hong Kong, Chile, Japão e Cingapura. Os números são divulgados pelo Ministério da Economia e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

DIFERENCIAIS DE SANTA CATARINA

Santa Catarina é reconhecida internacionalmente pela qualidade do seu agronegócio e o cuidado com a saúde animal e vegetal. É o único estado brasileiro reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação e área livre de peste suína clássica. Na área vegetal, o estado é livre de Cydia pomonella, considerada o pior inseto praga da fruticultura, e também do Moko da Bananeira.

Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de SC

Foto: James Tavares/Arquivo/Secom

Veja também

Exportação de carne suína cresce 54,5% em 202015/09 Levantamentos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) mostram que as exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 98,5 mil toneladas em agosto. Com este número, os embarques do setor superam em 89,2% o volume registrado no mesmo mês de 2019, com 52 mil toneladas. A receita em......

Voltar para Notícias (pt)