21 A 23
DE SETEMBRO DE 2021

Das 14h às 20h

Pavilhão de Exposições Anhembi - São Paulo/SP

Notícias

Postado em 15 de Janeiro de 2019 às 23h12

COM INVESTIMENTOS DE R$ 330 MILHÕES SEGUNDA LINHA DA UNITÁ COMEÇA O ABATE DE FRANGO

A Central Unitá já colocou em operação a 2ª linha de abate do frigorífico de aves, localizado em Ubiratã. A indústria que trabalhava com a capacidade de 180 mil cabeças por dia, passou a abater 230 mil aves, com a previsão de aumentar para 280 mil neste primeiro semestre.

O projeto é para abater 380 mil até o início de 2020, que somadas as atuais 320 mil cabeças abatidas atualmente na Unidade Industrial de Cafelândia, irão alcançar uma produção de 700 mil cabeças de aves abatidas ao dia.

De acordo com o presidente da Unitá, Valter Pitol, é um aumento gradativo, diante da demanda de colaboradores qualificados para atuar na produção e ao mesmo tempo da produção no campo com a construção de novos aviários por parte dos produtores.

“Todo o processo de ampliação está correndo dentro das nossas expectativas. Com isso novas oportunidades são oferecidas aos cooperados da Copacol e da Coagru, gerando mais empregos e renda em toda a região, garantindo principalmente qualidade de vida às famílias”, destaca Pitol.

Fonte: O nono Oeste
Curta a página do O Novo Oeste no Facebook, e receba as principais informações da região Oeste do Paraná
https://www.facebook.com/onovooeste/

Veja também

Marfrig implementa sistema para monitorar fornecedor indireto de gado e reduzir desmatamento22/09/20 A Marfrig colocará em prática a partir de outubro mais uma iniciativa para garantir a sustentabilidade dentro da cadeia produtiva de carne bovina. Desta vez, a ideia é estender o monitoramento ambiental a todas as fazendas pecuárias ligadas direta ou indiretamente ao fornecimento de gado para a companhia. Ao detectar a origem dos animais desde o seu nascimento, a Marfrig tenta evitar, na......
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida16/01/19 “O autocontrole, em tese, é uma coisa muito boa, até para o abate. O ministério não tem gente para fiscalizar tudo. Mas caso alguém [empresas] faça algo errado, tem que ter um mecanismo para evitar......

Voltar para Notícias (pt)