21 A 23
DE SETEMBRO DE 2021

Das 14h às 20h

Pavilhão de Exposições Anhembi - São Paulo/SP

Notícias

Postado em 23 de Janeiro às 11h26

Frigoríficos no Paraná enfrentam falta de boi gordo para abate, diz Sindicarne-PR

Notícias do Setor (220)
EXPOMEAT 2021 Frigoríficos do Paraná estão enfrentando falta de boi gordo para abate, disse o Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Paraná (Sindicarne-PR). A saída de bois...

Frigoríficos do Paraná estão enfrentando falta de boi gordo para abate, disse o Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Paraná (Sindicarne-PR).

A saída de bois paranaenses para abate em outros estados e a proibição do ingresso de animais para a reposição do plantel do Paraná estão reduzindo a oferta de bois no estado, segundo a entidade.

“Há uma saída muito elevada de animais para abate do Paraná para outros estados, devido a adquirentes de outros estados que colocam na documentação fiscal que se trata de bezerros para engorda e não de animais terminados. Com isso pagam preços menores e quase não recolhem impostos”, disse o presidente do Sindicarne-PR, Péricles Salazar, em nota.

A entidade estima que cerca de 50 mil animais estão saindo irregularmente do estado por ano. “Atualmente há o risco de muitas empresas diminuírem suas atividades ou mesmo deixarem de operar caso essa situação continue”, disse Salazar.

No último dia 27 de dezembro, a Secretaria de Defesa Agropecuária emitiu a Instrução Normativa nº 37 proibindo o ingresso de animais de outros estados vacinados contra a febre aftosa no Paraná.

A medida é um dos passos para que o Paraná possa receber o status internacional de livre de febre aftosa sem vacinação. O estado já foi dispensado de vacinar o seu rebanho próprio no ano passado.

Ainda está permitida a entrada de bovinos e bubalinos vacinados oriundos de zonas livres de febre aftosa com vacinação, desde que transportados em veículos lacrados pelo Serviço Veterinário Oficial (SVO) e encaminhados diretamente para abate em local com inspeção oficial ou destinados diretamente à exportação.

Animais vacinados destinados a outros estados brasileiros também poderão transitar pelo Paraná desde que por rotas previamente estabelecidas pelo SVO, segundo a Instrução Normativa.

O Paraná recebia cerca de 100 mil bois para engorda e abate de outros estados antes do fim da vacinação contra a aftosa, segundo o Sindicarne-PR.

Salazar disse que solicitou às secretarias da Agricultura e da Fazenda do Paraná que aumentem a fiscalização de saída de animais do estado.

A Secretaria da Agricultura do Paraná disse em nota na semana passada que reforçou a fiscalização nas divisas com Santa Catarina e na fronteira com a Argentina para cumprir a IN37 que entrou em vigor no último dia 6 de janeiro.

Até o dia 16 de janeiro, a fiscalização estadual tinha registrado duas ocorrências de carregamentos com animais vacinados contra a febre aftosa vindos de São Paulo que tentavam entrar no Paraná, mas foram barrados.

Fonte: Carnetec

 

Veja também

Marfrig/Gularte: margens de rentabilidade nunca estiveram tão boas30/04 As margens da Marfrig "nunca estiveram tão boas", disse o diretor-presidente da companhia de proteína animal, Miguel Gularte, em live promovida pelo Broadcast. "O Brasil está surfando nessa onda, de crescimento do mercado bovino", acrescentou, dizendo que, como companhia de alimentos e de proteína animal, a Marfrig "está numa situação......
JBS anuncia aquisição da Empire Packing nos EUA20/02 A JBS USA fechou um acordo para adquirir cinco unidades de produção de case ready da Empire Packing Company nos Estados Unidos e a marca de produtos Ledbetter por US$ 238 milhões, informou a JBS S.A. em comunicado na terça-feira......

Voltar para Notícias (pt)