21 A 23
DE SETEMBRO DE 2021

Das 14h às 20h

Pavilhão de Exposições Anhembi - São Paulo/SP

Notícias

Postado em 20 de Outubro de 2020 às 12h02

USDA prevê aumento de 4% na produção mundial de carne suína em 2021

Notícias do Setor (435)
EXPOMEAT 2021 - lll Feira Internacional da Indústria de Processamento de Proteína Animal e Vegetal A produção global de carne suína, segundo o relatório de análise de mercado global do Departamento de...

A produção global de carne suína, segundo o relatório de análise de mercado global do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) deve aumentar em 4% em 2021. A recuperação da produção nos países afetados pela peste suína africana (PSA) e, em menor grau, pela recuperação dos impactos do Covid-19 devem influenciar neste avanço.

No Brasil, a produção está estimada em quase 4% devido à recuperação da carne suína doméstica consumo e demanda de exportação relativamente resiliente, auxiliada por um real fraco.

No caso da China, principal país afetado pela PSA, o crescimento na produção de carne suína é previsto em 9%, à medida que os suinocultores reconstroem rapidamente seus planteis e aproveitam preços elevados do suíno. No entanto, com 41,5 milhões de toneladas, a produção ainda é quase 25% inferior aos níveis anteriores à doença, em meados de 2018.

Segundo o USDA, a recuperação da PSA também está impulsionando o crescimento da produção no Vietnã e nas Filipinas, embora surtos continuem a ocorrer neste último país, o que pode desafiar os esforços de reconstrução.

Na União Europeia (UE), a produção aumentou marginalmente com níveis estáveis de rebanho e crescimento da produtividade. A descoberta da PSA em javalis da Alemanha não deve impactar a produção diretamente, segundo o Departamento, mas as restrições à exportação resultarão em maior oferta de carne suína alemã em um mercado já saturado da UE. Isso, aliado à fraca demanda doméstica e desaceleração da demanda da China, deve reduzir os preços no próximo ano.

EXPORTAÇÕES

As exportações globais devem ficar estáveis em 10,8 milhões de toneladas em 2021. Espera-se uma demanda global de carne suína para se recuperar de Covid-19 na melhoria das condições econômicas e recuperação do setor de food service. No entanto, a desaceleração da demanda do maior importador - a China - compensa o crescimento do restante do mundo.

Após um ritmo aquecido em 2020, as importações de carne suína da China devem cair 6% devido a recuperação da produção nacional. Outros grandes importadores de carne suína, incluindo México, Filipinas, Japão, Coreia e Estados Unidos têm projeções mais altas, mas esses países combinados respondem por menos comércio do que a China sozinha.

Fonte: Notícias Agrícolas

Veja também

Marfrig implementa sistema para monitorar fornecedor indireto de gado e reduzir desmatamento22/09/20 A Marfrig colocará em prática a partir de outubro mais uma iniciativa para garantir a sustentabilidade dentro da cadeia produtiva de carne bovina. Desta vez, a ideia é estender o monitoramento ambiental a todas as fazendas pecuárias ligadas direta ou indiretamente ao fornecimento de gado para a companhia. Ao detectar a origem dos animais desde o seu nascimento, a Marfrig tenta evitar, na......

Voltar para Notícias (pt)